Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6815
Título: A atuação do acompanhante terapêutico no processo de inclusão escolar
Título em inglês: The acting of therapist accompanying in school inclusion
Autor(es): ARARIPE, Natalie Brito
Orientador(es): COLAÇO, Veriana de Fátima Rodrigues
Palavras-chave: Therapeutic monitoring
Educational inclusion
Crianças deficientes – Educação – Fortaleza(CE)
Inclusão em educação – Fortaleza(CE)
Data do documento: 2012
Editor: www.teses.ufc.br
Citação: ARARIPE, N. B.; COLAÇO, V. F. R. (2012)
Resumo: Essa dissertação investiga o trabalho do acompanhante terapêutico na inclusão escolar de crianças com deficiência. O acompanhamento terapêutico é uma modalidade de atendimento individualizado e intensivo de pessoas com necessidades específicas, em seus ambientes naturais, como casa, escola ou trabalho. Não obstante, o trabalho desse profissional, que muitas vezes é chamado também de ‘estagiário de inclusão’, em ambiente escolar tem gerado opiniões controversas na literatura. Devido a essas controvérsias e à indefinição dos papéis desse profissional na escola, delineamos o objetivo que norteou a pesquisa aqui relatada: compreender a atuação de acompanhantes terapêuticos no processo de inclusão escolar de crianças com necessidades específicas, a partir do entendimento de sua função mediadora. Tal função mediadora tem seu ponto de partida na teoria de Vigotski, que utilizamos como base para articular os achados da pesquisa. Utilizamos também, como base teórica complementar à discussão dessa pesquisa, traçados críticos, de autores contemporâneos, sobre a deficiência e a inclusão escolar. Como ferramentas metodológicas, adotamos um estudo de caso de caráter etnográfico numa sala de aula com acompanhante terapêutica, localizada em uma escola particular de Fortaleza. Elegemos interações e a dividimos em categorias teóricas (interação, mediação, produções de sentido lógicas de ação e binômio inclusão/ exclusão) e categorias empíricas, ligadas às interações específicas do acompanhante terapêutico com a criança em processo de inclusão, com outras crianças, com o professor e com a família da criança. Observamos que o acompanhamento terapêutico tem condições de mediar processos de inclusão voltados para o social e para o conteúdo da criança quando atua em articulação com o professor e as crianças da sala, sem isolar a criança. Quando o acompanhante terapêutico volta-se apenas à criança em processo de inclusão, provavelmente a torna dependente e alheia aos processos em sala de aula, o que é muito provável de ocorrer. Concluímos que o acompanhante terapêutico, na sala de aula, muitas vezes aparece como um sintoma da escola, que não possui solução para sua obrigação legal de realizar uma educação para todos e que, portanto, não vê que o processo de inclusão não ocorre isolado da sua dialética exclusionista.
Descrição: ARARIPE, Natalie Brito. A atuação do acompanhante terapêutico no processo de inclusão escolar. 2012. 104f. – Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Fortaleza (CE), 2012.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6815
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2012-DIS-NBARARIPE.pdf1,29 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.