Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6955
Título: Avaliação da qualidade da atenção pré-natal oferecida às gestantes no município de Fortaleza (CE)
Título em inglês: Evaluation of quality of prenatal care offered to pregnant women in Fortaleza(CE)
Autor(es): Ricarte, Fernanda Maria Cunha
Orientador(es): Correia, Luciano Lima
Palavras-chave: Avaliação de Programas e Projetos de Saúde
Cuidado Pré-Natal
Bem-Estar Materno
Data do documento: 2011
Citação: RICARTE, F. M. C. (2011)
Resumo: Introduçãoo: A atenção pré-natal destaca-se como prioridade em saúde no Brasil, por ser um fator de marcada influência sobre as taxas de morbimortalidade materna e infantil do Paí. Processos avaliativos da qualidade da atenção à gestante, por sua vez, são importantes instrumentos para a otimização do impacto dos serviços de saúde sobre a saúde materno-fetal. O objetivo do estudo foi avaliar a qualidade da atenção pré-natal ofertada às gestantes de Fortaleza-CE, tendo como parâmetros os indicadores preconizados pelo Ministério da Saúde, visando a contribuir para a melhoria da assistência à mulher no ciclo grava­dico-puerperal. Metodologia: O estudo transversal teve como base a V Pesquisa de Saúde Materno-Infantil do Ceará (PESMIC), com uma amostra de 2.553 mulheres em idade reprodutiva residentes em Fortaleza, das quais 195 referiram gravidez nos pravios doze meses anteriores à entrevista, compreendendo os anos de 2007 e 2008. A qualidade da atenção foi avaliada em trêss ní­veis de complexidade: no Ní­vel 1, o iní­cio e frequencia das consultas; no Nével 2, o Né­vel 1 mais a realização dos exames laboratoriais; e no Né­vel 3, os Ní­veis 1 e 2, mais a realização dos procedimentos clí­nico-obstétricos. O teste do Qui-quadrado foi utilizado para avaliar a significância estatí­stica (α=0,05) das associações entre as caracterí­sticas das gestantes e as do pré-natal. Resultados: Gestantes adolescentes estiveram associadas a um menor número de consultas (p=0,057) e a uma menor realização do teste HIV (p=0,014), em comparação a gestantes adultas. Gestantes sem companheiro estiveram associadas a um iní­cio de pré-natal tardio (p=0,004) e a um menor número de consultas (p=0,032) quando comparadas as que viviam com companheiro. Gestantes com ní­vel de escolaridade de até oito anos de estudo estiveram associadas a um menor número de consultas (p=0,024) e menor orientação referente ao aleitamento materno (p=0,001) em comparação aquelas de mais de oito anos de estudo. Gestantes com renda familiar de até dois salá¡rios mínimos estiveram associadas a um iní­cio do pré-natal tardio (p=0,018) e a um menor encaminhamento ao parto (p=0,018) em comparação as que referiram renda superior a dois salários. Gestantes que tinham o SUS como provedor de saúde estiveram associadas a um iní­cio de pré-natal tardio (p=0,001), a um menor número de consultas (p=0,002), a uma menor orientação ao aleitamento (p=0,029) e menor encaminhamento ao parto (p=0,017) em comparação as que possu­am plano de saúde. Na avaliação da qualidade da atenção, observou-se que somente 63% das gestantes iniciaram e conseguiram realizar as consultas na época adequada (Nível 1); quando esse parâmetro foi acrescido da realização dos exames laboratoriais básicos (Nível 2) , este percentual de adequaçãoo reduziu-se levemente para 55%. Entretanto quando estes dois ní­veis foram considerados em conjunto com o Ní­vel 3 (procedimentos clí­nico-obstétricos realizados pelos profissionais), o percentual de adequação caiu drasticamente, alcançando apenas 3,6%. Conclusão: Apesar da elevada cobertura, a atenção pré-natal no Município de Fortaleza deve ser reconsiderada qualitativamente. Recomenda-se ampla discussão dos resultados desta avaliação com gestores, profissionais de saúde e comunidade, bem como a organização de um programa de sensibilização e capacitação para a melhoria da qualidade técnica da assistência prestada por estes profissionais.
Abstract: Introduction: Prenatal care has high priority in public health policy in Brazil, due to it is strong influence on rates of maternal and infant morbidity and mortality. Evaluation processes of the quality of care for pregnant women are important tools for optimizing the impact of health services on maternal and fetal health. The goal of the study was to evaluate the quality of prenatal care offered to pregnant women in Fortaleza (CE), using parameters established by the Ministry of health, aiming to contribute to the improvement of care for women in pregnancy and childbirth. Methodology: The cross-sectional study was based on the V Study on Maternal and Child Health of Ceará (PESMIC), a population survey carried out in a sample of women of reproductive age living in Fortaleza. From the 2.553 surveyed women, 195 reported a birth in the previous 12 months, being the target of the analysis. The quality of care was a evaluated in three levels of complexity: Level 1, the onset and frequency of consultations; Level 2, Level 1 plus the completion of laboratory tests, and level 3, Levels 1 and 2, plus the achievement of clinical and obstetric procedures. The chi-square test was used to evaluate the statistical significance (α=0,05) of associations between characteristics of pregnant women and prenatal care. Results: Pregnant adolescents were associated with fewer consultations (p=0,057) and HIV testing (p=0,014), as compared with adults. Pregnant women without a partner had a later start of the prenatal care (p=0,004) and fewer consultations (p=0,032), than those living with a partner. Pregnant women with years of schooling up to 8 years were associated with fewer visits (p=0,024) and lower guidance relating to breast feeding (p=0,001), compared to those with more than 8 years of schooling. Family income of up to 2 minimum wages were associated to a later beginning of the prenatal care (p=0,018) and lower referral to delivery care facilities (p=0,018), as compared to those with income above 2 minimum wages. Pregnant women who had the SUS as a health care provider, were associated with an late pre natal care (p=0,001), fewer consultations (p=0,002), less breastfeeding advice (p=0,029), and lower referral to delivery care facilities (p=0,017) as compared to those who had health insurance. The assessment of the quality of care found that only 63% of pregnant women started and managed to hold consultations at the appropriate time (Level 1). When this parameter was added to the performing of basic laboratory tests (Level 2), the percentage was only slightly reduced, to 55%. However, when these two levels were considered in conjunction with Level 3 (clinical and obstetric procedures performed by professionals) the percentage of adequacy has dropped dramatically, reaching only 3,6 %. Conclusion: Despite it is high coverage, prenatal care in Fortaleza should be reconsidered qualitatively. It is recommended a broad discussion of the results of this assessment with managers, health professionals and community, as well as the organization of a training program for improving the technical quality of the care provided by such professionals.  
Descrição: RICARTE, Fernanda Maria Cunha. Avaliação da qualidade da atenção pré-natal oferecida às gestantes no município de Fortaleza(CE). 2011. 115 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2011.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6955
Aparece nas coleções:DSC - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2011_dis_fmcricarte.pdf1,51 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.