Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/7030
Título: Efeito da gravidez na adolescência sobre os resultados perinatais em maternidades de nível terciário no ano de 2003 no estado do Ceará – Brasil
Título em inglês: Effect of the pregnancy in the adolescence on results perinatais in maternities of tertiary level in the year of 2003 in the State of the Ceará - Brazil
Autor(es): Cunha, Silvia de Melo
Orientador(es): Bruno, Zenilda Vieira
Palavras-chave: Recém-Nascido
Gravidez na Adolescência
Cuidado pré-Natal
Data do documento: 2005
Citação: CUNHA, S. M. (2005)
Resumo: Objetivos: Verificar a existência de associação entre a idade materna e o internamento de recém-nascidos (RN) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em maternidades de nível terciário no estado do Ceará. Aferir os indicadores peso ao nascimento e idade gestacional, comparando grupos divididos pela idade materna em adolescente precoce, adolescente tardia e não adolescente. Metodologia: estudo observacional, descritivo, do tipo transversal, onde se avaliou o número de partos simples de nascidos vivos realizados no Hospital Geral Dr. César Cals (HGCC) e na Maternidade Escola Assis Chateaubriand (MEAC) no período de 01 de janeiro a 31 de dezembro de 2003 e os 1351 recém-nascidos de partos simples internados na UTI destes hospitais foram estudados quanto as variáveis, idade materna, idade gestacional e peso ao nascer, através de pesquisa em livros de registro, prontuários e arquivo eletrônico. Na análise dos dados foram utilizados os testes de Qui-quadrado de Pearson, da relação Linear, e o Exato de Fisher. Foram considerados estatisticamente significantes todos os achados com valor de p< 0,005. Como medida de risco foi calculada a odds ratio, com intervalo de confiança de 95%. Resultados: do total de partos (11.429), 24,8% eram de mães adolescentes e 11,8% dos recém-nascidos (RN) foram internados na UTI. Embora exista indicativo de relação linear, p= 0, 097 (<0,100), onde à medida que aumenta a faixa etária da mãe, diminui a incidência de RN em UTI, não se obteve estatisticamente, associação significativa entre idade materna e internamento em UTI (p= 0,207). Observou-se maior percentual de prematuridade nos RN de adolescentes precoces (86,1%), quando comparadas com adolescentes tardias (85,2%) e não adolescentes (74,8%), mostrando que estatisticamente existe associação entre idade gestacional e idade materna (p< 0,001). Entretanto estatisticamente não se nota diferença entre os dois grupos de adolescentes quanto à prematuridade (OR 1,08; IC 95% 0,51 – 2,27). Embora exista diferença estatística, quando comparamos adolescentes precoces e tardias com não adolescentes (OR 2.08; IC 1.05 - 4.13 e OR 1.93; IC 1.35 - 2.76 respectivamente). Quanto a variável peso ao nascer, observou-se maior percentual de baixo peso ao nascer (BPN) nos filhos de mães adolescentes precoces (87,5%) quando comparado com adolescentes tardias (83,0%) e não adolescentes (73,3%), mostrando que existe associação estatisticamente significante entre peso ao nascer e idade materna (p< 0,001). Estatisticamente não se nota diferença de BPN entre adolescentes precoces e tardias (OR 1.42; IC 0.66 - 3.66). Quando comparamos adolescentes precoces e tardias com não adolescentes encontramos diferença estatisticamente significante (OR 3.07; IC 1.50 – 6.25 e OR 2.15; IC 1.53 – 3.01 respectivamente). Observou-se também maior percentual de RN de muito baixo peso ao nascer entre as adolescentes precoces, mas estatisticamente não se nota diferença quando comparadas com as adolescentes tardias, (OR 1.17; IC95% 0.69 – 1.97). Quando comparamos adolescentes precoces e tardias com não adolescentes encontramos diferença estatisticamente significante (OR 1.65; IC95% 1.02 – 2.69 e OR 1.41; IC95% 1.07 – 1.86) respectivamente. Conclusões: Estatisticamente, não foi encontrada associação significativa entre a idade materna e o fato do RN ir ou não para a UTI. Existe associação estatisticamente significante entre idade gestacional e idade materna e entre peso ao nascer e idade materna. Existe diferença estatisticamente significante entre adolescentes e não adolescentes, quanto ao percentual de prematuridade, baixo peso e muito baixo peso ao nascer. O percentual de prematuridade, baixo peso e muito baixo peso ao nascer foi maior nas adolescentes precoces do que nas tardias, entretanto, a odds ratio não alcançou significância estatística.
Abstract: Study Objective: To check existence of association between mother’s age and newborn’s hospitalizing at Intensive Therapy Unit at tertiary level maternity on 2003 on Ceará – Brasil. To measure the variables birth weight and pregnancy age comparing groups by the mother’s age of precocious teenagers, late teenagers and adults. Method: transversal and descriptive study where it was rated the number of simple deliveries of alive newborns on Hospital Geral César Cals (HGCC) and Maternidade Escola Assis Chateaubriand (MEAC) since January 1s until December 31 on the year of 2003 and the 1351 simple deliveries newborn’s hospitalizing at Intensive Therapy Unit (ITU) of those hospitals were studied about mother’s age, pregnancy age and birth weight, through searches on books of maternity hospital, medical register and registers on electronics archives. Pearson’s chi-square, linear relation and Exact of Fisher tests were used on analysis of data. Chi-square test and odds ration (OR) with 95% confidence intervals (95%CI) were used to compare quantitative variables. Results: Eleven thousand four hundred twenty nine (11.429) women delivered at maternities hospitals studied, 24,8% were teenagers mothers , 11,8% newborns were hospitalized at ITU. Although there was indicative of linear relation, p= 0, 097 (<0,100), there wasn’t significant statically association between mother age and hospitalizing at ITU (p= 0,207). Was observe highest percentages of prematurely on newborns of precocious teenagers, (86,1%), when compared with late teenagers (85,2%) and adults. (74,8%), evidence that there was statically association between pregnancy age and mothers age (p< 0,001). However there wasn’t statically difference between precocious teenagers and late teenagers when prematurely was studied (OR 1,08; IC 95% 0,51 – 2,27). Although, there was statically difference when precocious and late teenagers were compared with adults. (OR 2.08; IC 1.05 - 4.13 e OR 1.93; IC 1.35 - 2.76). When birth weight was measured, there was highest percentages of low weight on children of precocious teenagers (87,5%) than late teenagers (83,0%) and adult (73,3%), evidence that there was significant statically association between birth weight and mothers age (p< 0,001). Statically there wasn’t difference of low weight between precocious and late teenagers (OR 1.42; IC 0.66 - 3.66). When precocious and late teenagers were compared with adults there was significant statically difference (OR 3.07; IC 1.50 – 6.25 e OR 2.15; IC 1.53 – 3.01 respectively). It was observed highest percentages of newborns with very low birth weight on precocious teenagers, but there wasn’t statically difference when they were compared with late teenagers, (OR 1.17; IC95% 0.69 – 1.97). When precocious and late teenagers were compared with adults there was significant statically difference (OR 1.65; IC95% 1.02 – 2.69 e OR 1.41; IC95% 1.07 – 1.86 respectively). Conclusions: It wasn’t found significant statically association between mother age and hospitalizing at ITU. There was significant statically association between pregnancy age and mother age and birth weight and mother age. There was significant statically difference between teenagers and adults about prematurely, low birth weight and very low birth weight percentages. The percentages of prematurely, low birth weight and very low birth weight were more frequent on precocious teenagers than late teenagers. However the odds ratio wasn’t significant statically.
Descrição: CUNHA, Silvia de Melo. Efeito da gravidez na adolescência sobre os resultados perinatais em maternidades de nível terciário no ano de 2003 no estado do Ceará – Brasil. 2005. 97 f. Dissertação (Mestrado em Tocoginecologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2005.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/7030
Aparece nas coleções:DSMI - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2005_dis_smcunha.pdf462,46 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.