Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/7035
Título: Morbimortalidade e sobrevida após o primeiro evento de histoplasmose disseminada em pacientes com aids atendidos em unidades de referência de Fortaleza/Ceará
Título em inglês: Morbidity and survival after the first event of disseminated histoplasmosis in AIDS patients treated in reference units of Fortaleza/Ceará
Autor(es): Damasceno, Lisandra Serra
Orientador(es): Leitão, Terezinha do Menino Jesus Silva
Palavras-chave: Histoplasmose
Recidiva
Síndrome de Imunodeficiência Adquirida
Data do documento: 2011
Citação: DAMASCENO, L. S. (2011)
Resumo: A histoplasmose é uma das micoses sistêmicas oportunistas mais associada à aids na atualidade no Brasil e no mundo. O Ceará é o estado do Brasil com a maior casuística na última década da coinfecção HD/aids. O objetivo deste estudo foi caracterizar a morbimortalidade e sobrevida de pacientes com coinfecção HD/aids, após o 1º evento de HD,atendidos em unidades de referência para HIV/aids em Fortaleza/Ceará. Realizou-se uma coorte retrospectiva de pacientes com coinfecção HD/aids, tendo o 1º episódio de HD ocorrido no período de 2002-2008. Os dados foram coletadas a partir do diagnóstico de HD até 31/12/2010. Análise estatística foi realizada por meio do programa STATA 9.0. Foram incluídos no estudo 145 pacientes. A maioria era de adultos jovens, com média de idade de 34,6 anos (IC 95%= 33,2-36,0), do sexo masculino (83,5%), e sem atividade de risco definida para histoplasmose (80%). A prevalência da coinfecção foi de 38 casos/ano. HD foi 1ª infecção oportunista definidora de aids em 59% dos pacientes. Anfotericina B foi utilizada em 97% dos pacientes como droga de indução, e itraconazol em 92%, em dose de manutenção. O tempo médio de seguimento clínico foi de 3,38 anos (dp = 2,2; IC 95% = 3,01-3,75); 55,2% dos pacientes necessitaram de novos internamentos; 23,3% apresentaram recidiva da histoplasmose; 31,4% interromperam o uso de antifúngicos conforme orientação médica. A média do acompanhamento após a interrupção foi de 2,85 anos (IC 95% = 2,24-3,46). Somente um paciente recidivou após a interrupção do antifúngico. Os fatores riscos relacionados à recidiva foram não adesão à TARV (p = 0,000), uso irregular de antifúngico (p= 0,000), não recuperação do CD4+ (p = 0,000) e ter aids antes do diagnóstico de HD (p =0,025). Somente não adesão à TARV (OR = 4,96; IC 95% = 1,26-30,10; p = 0,026) foi fator de risco independente para recidiva. Aos 60 meses a probabilidade de remissão foi de 67%(IC 95%= 55% -76%). Adesão à TARV (94% vs. 51% - p = 0,000), uso regular de antifúngico (87% vs. 48% - p = 0,000), recuperação do CD4+ (83% vs. 45% - p = 0,000) e não ter aids antes da HD (76% vs. 55% - p = 0,035) foram os principais fatores que contribuíram para manutenção da remissão. Óbito ocorreu em 30,2% dos pacientes; os fatores relacionados à mortalidade foram não adesão ao tratamento da aids (p = 0,000), uso irregular de antifúngico (p = 0,000), não recuperação do CD4+ (p = 0,000), ter tido um novo episódio de histoplasmose (p = 0,000) e ter aids antes da HD (p = 0,009). Não adesão à TARV foi o único fator de risco independente associado à mortalidade na análise multivariada (OR = 5,24; IC 95% = 1,28-21,38; p = 0,021). A sobrevida aos 60 meses foi de 68% (IC 95% = 57%-76%). Pacientes com adesão à TARV (92% vs. 54% - p = 0,000) e sem episódio de recidiva (77%vs. 32% - p = 0,000), tiveram melhor probabilidade de sobrevida. Uso regular de antifúngico (84% vs. 50% - p = 0,000) , ter tido recuperação do CD4+ (89% vs. 54% - p = 0,000) e não ter tido aids antes da HD (75% vs. 57% - p = 0,021) também foram fatores associados a uma melhor sobrevida. Portanto, verificou-se nesse estudo, elevada prevalência de HD em pacientes com aids nessa região do Brasil, com altas taxas de recidiva e óbito. Adesão à TARV foi o único fator de risco independente associado aos desfechos, recidiva e óbito. A melhor sobrevida ocorreu em pacientes aderentes à TARV.
Abstract: Histoplasmosis is one of the most opportunistic systemic mycoses associated with AIDS today in Brazil and worldwide. Ceará is the state of Brazil with the largest case in the last decade this co-infection. The objective of this study was to characterize the survival and morbimortality of patients with co-infection HD/AIDS after the 1st HD event, served in in units of a reference for HIV/AIDS in Fortaleza/Ceará. Retrospective cohort study of patients with co-infection HD/AIDS, when the first HD episode occurred between 2002-2008. The data were collected from the diagnosis of HD until 12/31/2010. Statistical analysis was performed using STATA 9.0 program. The study included 145 patients. The majority were young adults with median age of 34.6 years (95%CI = 33.2-36.0), males (83.5%) and without risk activity associated with histoplasmosis (80%). The prevalence of co-infection was of 38 cases/year. HD was first defining opportunistic infection of AIDS in 59% of the patients. Amphotericin B was used in 97% of patients as induction drug and itraconazole in 92% on maintenance dose. The average clinical follow-up was 3.38 years (sd=2.2,95%CI= 3.01 to 3.75); 55.2% of patients needed for new admissions; 23.3% presented relapse of histoplasmosis; 31.4% discontinued the use of antifungal as medical advice. The average follow-up after the interruption was 2.85 years (95%CI= 2.24 to 3.46). Only one patient relapsed after stopping the antifungal. Risk factors related to relapse were not adhering to ART (p 0.000), irregular use of antifungal (e.g. 0.000), non-recovery of CD4 (p 0.000) and have AIDS before diagnosis of HD (0.025). Non-adherence to ART (OR 4.96; 95% CI = 1.26- 30.10; p = 0.026) was the only independent risk factor for relapse. To 60 months the likelihood of remission was 67% (95%IC = 55% -76%). Join the ART (94% vs. 51% - p = 0.000), regular use of antifungal (87vs. 48 - p = 0.000), recovery of CD4+ (83% vs. 45% – p =0.000) and not having AIDS before the HD (76% vs.55% - p = 0.035) were the main factors that contributed to maintenance of remission. Death occurred in 30.2% of patients; mortalityrelated factors were not adherence to treatment of aids (p = 0.000), irregular use of antifungal medication (p = 0.000), non-recovery of CD4+ (p = 0.000), have had a new episode of histoplasmosis (p = 0.000) and have AIDS before the HD (p = 0.009). Patients with adherence to ART (92% vs. 54% - p = 0,000) and without relapse episode (77% vs. 32% - p = 0,000), had better chances of survival. Regular use of secondary prophylaxis as a maintenance therapy in HD was a factor associated with lower probability of progression to death (p=0.000). The survival at 60 months was of 68% (95%CI = 57%-76%). Regular use of antifungal (84% vs. 50% - p = 0.000), have had CD4+ recovery (89% vs. 54% - p = 0.000)and not have had AIDS before the HD (75% vs. 57% - p = 0.021) also were factors associated with better survival. Therefore, it was found in this study, high prevalence of HD in patients with AIDS in this region of Brazil, with high rates of relapse and death. Join the ART was the only independent risk factor associated with outcomes, relapse and death. The best survival occurred in patients adhering to ART.
Descrição: DAMASCENO, Lisandra Serra. Morbimortalidade e sobrevida após o primeiro evento de histoplasmose disseminada em pacientes com AIDS atendidos em unidades de referência de Fortaleza/Ceará. 2011. 108 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2011.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/7035
Aparece nas coleções:DSC - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2011_dis_lsdamasceno.pdf854,17 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.