Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/7064
Title in Portuguese: A mancha visível e o nervo sentido : representação social da hanseníase para agentes comunitários de saúde de municípios do norte e nordeste do Brasil
Title: The stain and the nerve visible sense : social representation of leprosy for community health regions in northern and northeastern Brazil
Author: Alencar, Olga Maria de
Advisor(s): Barbosa , Jaqueline Caracas
Keywords: Hanseníase
Agentes Comunitários de Saúde
Issue Date: 2012
Citation: ALENCAR, O. M. de. 'A mancha visível e o nervo sentido' : representação social da hanseníase para agentes comunitários de saúde de municípios do norte e nordeste do Brasil. 2012. 142 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Faculdade de Medicina. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.
Abstract in Portuguese: A mancha visível e o nervo sentido’ - representação social da hanseníase para agentes comunitários de saúde objetiva compreender as representações sociais sobre a hanseníase/lepra na prática discursiva das/dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), identificando crenças, valores e tabus que possam estar imbricados no trabalho. Por ser a hanseníase uma doença mítica e estigmatizada, envolta de saberes e práticas construídas historicamente, acreditamos que as práticas da/do ACS têm representações que, são incorporadas ao seu trabalho. Contextualizamos a evolução sócio-histórica do adoecimento, bem como a elaboração ideológica presente no imaginário coletivo dos ACS. Com suporte nos conceitos de ideologia, discurso e poder, verificamos como as representações sociais que os sujeitos da pesquisa têm acerca da hanseníase afetam a sua vida. Duas questões nortearam este estudo: que representações sociais as/os ACS têm sobre a hanseníase/ lepra? E como estas representações se imbricam em seu trabalho? Participaram 91 ACS que atuam na Estratégia Saúde da Família dos Municípios de São José de Ribamar (MA), Paragominas (PA), Araguaína (TO) e Floriano (PI). A metodologia consistiu na análise temática. Utilizamos a técnica do grupo focal. Do material produzido em campo, estabelecemos o corpus empírico, de onde emergiram as categorias/temas (conceitos-imagens). Em cada tema foram divisadas as subcategorias, que se denominou Unidade Representacional (UR). Os conceitos-imagens emergidos foram: 1) lepra X hanseníase - significados e sentidos; 2) Estigma - a marca do preconceito e da discriminação nas práticas discursivas; 3) Micropolítica na produção de cuidado a pessoa com hanseníase; 4) Envolvimento das famílias no processo de cuidado; 5) Vivendo/convivendo com a hanseníase. A pesquisa revelou, dentre outras representações, que as/os ACS acreditam na existência de alimentos ‘reimosos’. Evidenciou-se, também, culpabilização, do uso de álcool como determinante para o prolongamento da terapia. Constatamos que a lepra e a hanseníase não se configuram como sinônimos, mas sim como duas entidades distintas. Ao termo lepra, cabe o sentido de medo, vergonha e exclusão, enquanto hanseníase adquire o sentido de doença curável. Evidenciamos nos discursos preconceito e práticas discriminatórias vivenciadas pelas pessoas com hanseníase, configurando-se em legitimação do estigma.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/7064
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:DSC - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2012_dis_omalencar.pdf1,65 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.