Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/7718
Title in Portuguese: Desenvolvimento de um modelo experimental para estudo do linfonodo sentinela da vulva da cadela
Title: Development of an experimental model for studing the sentinel lymph node on dog´sfemale vulva
Author: Aquino, José Ulcijara
Advisor(s): Pinheiro Neto, Luis Gonzaga
Keywords: Tecnécio
Vulva
Issue Date: 2011
Citation: AQUINO, José Ulcijara. Desenvolvimento de um modelo experimental para estudo do linfonodo sentinela da vulva da cadela. 2011. 108 f. Tese (Doutorado em Cirurgia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2011.
Abstract in Portuguese: O câncer de vulva corresponde a aproximadamente 1% das neoplasias malignas da mulher e de 3% a 5% de tumores genitais femininos. 90% destes são carcinomas espino-celulares, curáveis quando diagnosticado precocemente. O tratamento radical inclui o esvaziamento inguinal bilateral na maioria dos casos. Aproximadamente 30% das pacientes operáveis têm disseminação linfonodal, as 70% restantes têm mutilação desnecessária. A possibilidade de aplicar o conceito de linfonodo sentinela, na conservação dos linfonodos regionais da vulva, ainda não é consenso. O modelo experimental na vulva da cadela é um passo importante no reconhecimento das peculiaridades da drenagem linfática deste órgão pela similaridade com a drenagem em humanos. Este trabalho experimental, em modelo canino tem como objetivo apresentar o modelo para a pesquisa do linfonodo sentinela na vulva da cadela usando o Azul Patente e Fitato de Tecnécio; avaliar o Azul Patente como marcador do linfonodo sentinela da vulva da cadela; avaliar o Fitato de Tecnécio como marcador do linfonodo sentinela na vulva da cadela, comparar os métodos obtidos pelas duas técnicas. Foram utilizados nos procedimentos 25 cadelas, adultas, sadias, com peso variando entre 10 e 12kg. Injeção de 5µCI de Tecnécio na região vulvar, com espera de 30’. Rastreamento com probe das regiões de drenagem vulvar, injeção de 0,5mL de azul patente na região vulvar, com espera de 15’. Definidos os pontos “quentes” com o probe, por incisões inguinais abordou-se o linfonodo, avaliando-se com o probe o linfonodo sentinela in-vivo e ex-vivo, anotando-se os valores; registrados os linfonodos corados e não corados com azul patente; comparados os dois métodos. Em 88% dos linfonodos houve presença da lateralidade, tal diferença foi significante (² = 28.88 e p<0,0001). Não houve diferença significante (p>0,05) entre os lados direito e esquerdo, quanto à intercessão dos dois métodos. Os níveis de radiação detectados foram idênticos em ambos os lados (p>0,05), também não foi verificada diferença significante (p>0,05) em ambos os lados, nas contagens in vivo e ex vivo, e no número de linfonodo corado com azul patente. O modelo experimental apresentado foi capaz de definir o linfonodo sentinela utilizando o Azul Patente e Tecnécio(99mTc). A identificação do linfonodo sentinela é exequível com Azul Patente no mapeamento da cadeia linfática; o mapeamento linfático com Tecnécio(99mTc), permite identificar com detalhes o sistema de drenagem linfática; não houve diferença significante entre os dois métodos (p=1,0), Azul Patente e Tecnécio(99mTc).
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/7718
metadata.dc.type: Tese
Appears in Collections:DCIR - Teses defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2011_tese_juaquino.pdf2,41 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.