Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/8167
Title in Portuguese: Uso da proteína quimiotática de monócitos-1 como biomarcador de lesão renal precoce em pacientes com anemia falciforme
Title: Use of protein monocyte chemoattractant-1 as a biomarker early kidney injury in patients with sickle cell disease
Author: Santos, Talyta Ellen de Jesus dos
Advisor(s): Lemes , Romélia Pinheiro Gonçalves
Keywords: Anemia Falciforme
Biomarcadores Farmacológicos
Rim
Issue Date: 2014
Citation: SANTOS, T. E. J. Uso da proteína quimiotática de monócitos-1 como biomarcador de lesão renal precoce em pacientes com anemia falciforme. 2014. 57 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Fortaleza, 2014.
Abstract in Portuguese: Novos biomarcadores da função renal estão sendo estudados com o propósito de detectar precocemente alterações renais em portadores de AF, dentre eles encontra-se a proteína quimiotática de monócitos 1 (MCP-1), uma quimiocina de monócitos e macrófagos, produzida por células do sistema renal em resposta ao processo de isquemia-reperfusão. OBJETIVO: Avaliar o uso de MCP-1 como biomarcador de lesão renal precoce em pacientes adultos com anemia falciforme em uso ou não de hidroxiureia (HU). METODOLOGIA: Participaram do estudo 50 pacientes: 30 em uso de (HU)-grupo SSHU e 20 sem HU-grupo SS. Um grupo controle foi composto por 20 indivíduos com HbAA, sem complicações renais. Proteinúria, albuminúria, creatinina e uréia urinárias, marcadores do estresse oxidativo como MDA e NOx foram determinados por métodos espectrofotométricos. MCP-1 urinário foi detectado por enzima imunoensaio (ELISA). Os dados clínicos e de hemograma, creatinina e ureia séricas foram retirados do prontuário médico. Foi coletada a primeira urina do dia. O programa Graph Pad Prism 5.0 foi utilizado para análise estatística. A comparação das médias entre os grupos foi realizada através do teste t de Student e análise de variância (ANOVA). RESULTADOS E DISCUSSÃO: Albumina urinária esteve maior nos pacientes em relação ao grupo controle (Controle-3.12 ± 4.35; SSHU- 11.85 ± 9.16; SS- 14.13 ± 12.22; p <0.0001). A taxa de filtração glomerular estimada apresentou-se significantemente menor no grupo controle (Controle- 95.9 ± 19.92; SSHU- 137.9 ± 40.7 e SS- 140.1 ± 53.9; p= 0.0024). Observaram-se níveis elevados de MCP-1 (Controle- 42.12 ± 27.6; grupo SSHU- 166.2 ± 88.37 e grupo SS- 219.7 ± 115.0; p<0.001; p=0.039); MDA (Controle- 2.29 ± 1.13; grupo SSHU-5.25 ± 2.33 e grupo SS- 6.93 ± 2.12; p<0.0001;p=0.006) e NOx (Controle-2.25±1.9; grupo SSHU-56.54 ± 9.15 e grupo SS 39.12 ±9.02; p<0.0001; p=0.001) nos pacientes em comparação aos controles saudáveis, e mais elevados no grupo SS em relação ao grupo SSHU. Os pacientes com haplótipo Bantu/Bantu apresentaram maior concentração de MCP-1, independente do uso de HU, seguido de Bantu/ Benin e Benin/Benin (p=0.01). Observou-se correlação positiva entre os uma correlação entre os níveis de MCP-1 e contagem de monócitos (p=0.004; r= 0.42); proteinúria (p=0.002; r=0.43); albuminúria (p=0.0004; r=0.47); TFG (p=0.02; r=0.32); MDA (p=0.02; r=0.32) e NOx (p=0.007; r= 0.38). CONCLUSÃO: Os resultados indicam que MCP-1 foi preditivo na detecção de alteração renal, e que pode estar correlacionado ao dano causado pelo estresso oxidativo nos rins, evidenciado pelos altos níveis de MDA. Ainda, a HU parece ter reduzido o dano renal, visto que os pacientes em uso do fármaco apresentaram níveis reduzidos desses parâmetros.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/8167
Appears in Collections:DFAR - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014_dis_tejsantos.pdf716,78 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.