Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/863
Título: Efeitos da venlafaxina e da vitamina e na periodontite experimental induzida por ligadura em ratos. Avaliação do estado de ansiedade, depressão e perda óssea alveolar
Título em inglês: Effects of venlafaxine and vitamin e in experimental ligature-induced periodontitis in rats. Assessment of the state of anxiety, depression and alveolar bone loss
Autor(es): Carvalho, Rosimary de Souza
Orientador(es): Cunha , Geanne Matos de
Palavras-chave: Ortodontia
Antidepressivos
Ansiedade
Data do documento: 2010
Citação: CARVALHO, R. S., (2010)
Resumo: A doença periodontal (DP) é descrita como enfermidade inflamatório-imunológica de natureza multifatorial, resultante da interação de microorganismos patogênicos e defesa do hospedeiro, cujo desenvolvimento pode ser modificado por fatores locais, doenças sistêmicas ou fatores genéticos. Eventos psicossociais como o estresse, ansiedade e depressão, citam-se como fatores que podem contribuir para o agravamento do prognóstico clínico de várias doenças, inclusive a periodontite crônica (PC), por causar desequilíbrio imunológico, podendo diretamente aumentar a produção de citocinas pró-inflamatórias. Estresse oxidativo (EO) também é relacionado à DP e à depressão, por causar danos às estruturas celulares, além de comprometer a competência imunológica. Este estudo avaliou os efeitos da venlafaxina, um antidepressivo, e da vitamina E, um antioxidante, na periodontite experimental induzida por ligadura em ratos (PE). Observaram-se o estado de ansiedade, depressão e a perda óssea alveolar (POA). Foram utilizados Ratos Wistar (180-220g). Os animais foram divididos em dez grupos: falso-operado (FO); EP (veículo-água); FO e PE + venlafaxina (10 mg/kg e 50 mg/kg); FO e PE (veículo-óleo); FO e PE + vitamina E 500 mg/kg. A PE foi induzida pela inserção de um fio de sutura de náilon 3.0, em torno do segundo molar superior esquerdo, o qual permaneceu por 11 dias. A venlafaxina (10 e 50 mg/kg) e a vitamina E (500 mg/kg) foram administradas diariamente, por via oral, gavagem) durante nove dias. A avaliação comportamental foi realizada no 10° dia da indução da PE pelos testes de labirinto em cruz elevado (ansiedade) e do nado forçado (depressão). Os animais foram mortos por deslocamento cervical no 11° dia da indução da PE e suas maxilas removidas, para avaliações posteriores. A análise morfométrica mostrou que os animais submetidos à PE tiveram POA significativa (p<0,001) comparado aos falso-operados (FO). A venlafaxina (10 mg/kg)) diminuiu a POA, mas não estatisticamente significativa, por outro lado, verificou-se maior POA no grupo de animais submetidos à PE e tratados com venlafaxina (50 mg/kg). A análise histopatológica mostrou no grupo submetido à PE e tratado com veículo (água) infiltração mononuclear acentuada (linfócitos e macrófagos) reabsorção do processo alveolar (restando apenas fragmento ósseo) e destruição do cemento, escore 2 (2-3). O grupo submetido à PE e tratado com venlafaxina (10 mg/kg) mostrou também alteração do osso alveolar e cemento, escore 2 (1-3), entretanto, não houve diferença estatística. O grupo FO apresentou pequeno infiltrado inflamatório, escore 0 (0-0). Estresse oxidativo também foi objeto de estudo nesta pesquisa. A peroxidação lípidica (TBARS) mostrou-se aumentada no grupo de animais submetido à PE. A venlafaxina (10 mg/kg) inibiu esse aumento, demonstrando papel antioxidante. Foram realizados ensaios de imuno-histoquímica (TNF-α e iNOS) nos tecidos gengival e periodontal dos animais. Observou-se aumento da imunomarcacão de ambos nos tecidos periodontais dos animais submetidos à PE, comparado ao grupo FO. O tratamento com venlafaxina não inibiu essa marcação. Os resultados envolvendo o tratamento com a vitamina E (500 mg/kg) mostraram na análise morfométrica das maxilas dos animais submetidos à PE e tratados com vitamina E que não houve proteção quanto a POA, quando comparado ao grupo submetido à PE (p>0,05). A análise histopatológica mostrou infiltrado mononuclear menos acentuado no grupo submetido à PE e tratado com vitamina E, escore 2 (0-3) comparado ao grupo PE, 3 (2-3). A avaliação oxidativa foi observada mediante mensuração da peroxidação lipídica (TBARS) e da atividade da enzima superóxido dismutase (SOD). Os animais submetidos à PE apresentaram aumento significativo na concentração de MDA (µM). O tratamento com vitamina E (500 mg/kg) inibiu esse efeito (p< 0,05). Em relação à SOD, observou-se um decréscimo da atividade nos animais submetidos à PE e tratados com vitamina E. A avaliação para TNF-α e iNOS mostrou que a PE aumentou a imunomarcação de ambos; o tratamento com vitamina E diminuiu a imunomarcacão para iNOS. A avaliação comportamental mostrou que a PE não estava associada a ansiedade ou depressão. Nos animais submetidos à PE houve perda de massa corpórea nos primeiros dias da indução da PE. Os tratamentos com venlafaxina e vitamina E não alteraram esse resultado. A venlafaxina e a vitamina E não foram capazes de inibir a POA. Além disso, a venlafaxina (IRSNs) é suscetível de agravar a POA na PE, quando usada em dose mais elevada. Atenção, também, deve ser dada para o uso indiscriminado de antioxidantes. O uso de vitamina E demonstrou efeito ansiogênico.
Abstract: The periodontal disease is described as an inflammatory/imunological disease of multifactorial nature that results from an interaction between pathogenic microorganisms and host defense, whose development can be modified by local factors, systemic diseases or genetic factors. Psychosocial events such as stress, anxiety and depression, are few factors which can contribute for the aggravation of the clinical prognostic of many illnesses, including the chronic periodontitis, once it causes an immunological disequilibrium, being able to increase directly the production of proinflammatory cytokines. Oxidative stress has also been related to PD and depression, because of the damages caused to the cellular structures and for compromising the immunological competence. In order to have a greater insight, the present study evaluated the effects of venlafaxine, an antidepressant, and of vitamin E, a known antioxidant, in rat model of ligature-induced experimental periodontitis (EP). The state of anxiety, depression and alveolar bone loss were assessed. Wistar Rats (180-220g) were divided into ten groups: false-operated (SO); EP (vehicle-water); SO and EP + venlafaxine (10 mg/kg e 50 mg/kg); SO and EP (vehicle-oil); SO and EP + vitamin E (500 mg/kg). EP was induced by the insertion of a nylon wire 3.0, around the second upper left molar which remained there for 11 days. Venlafaxine (10 and 50 mg/kg) and vitamin E (500 mg/kg) were administered daily, orally, during 9 days. The behavioral evaluation was made in the 10th day of EP induction by tests of labyrinth in high cross (anxiety) and of immobility in forced swim (depression). The animals were killed by cervical dislocation on day-11 and their jaws removed, for later evaluations. The morphometric analysis showed that the animals submitted to the EP had significant alveolar bone loss (ABL, p<0.001) when compared to the false-operated ones (SO). Venlafaxine (10 mg/kg) attenuated ABL, but it was not statistically significant; on the other hand, it was observed a greater ABL in the group of animals submitted to EP and treated with venlafaxine (50 mg/kg). The histopathological analysis showed in the group submitted to the EP and treated with vehicle (water), significant mononuclear infiltrate (lymphocytes and macrophages), reabsorption of alveolar process (with only bone fragment left) and cement destruction score of 2 (2-3). The group submitted to the EP and treated with venlafaxine (10 mg/kg) also showed similar alterations of the alveolar bone and cementum, with a score of 2 (1-3), otherwise there was no statistical difference. The group SO showed a small or negligible inflammatory infiltrate, score 0 (0-0). Oxidative stress was also the object of evaluation in this study. Increased lipid peroxidation (TBARS) was evident in the group submitted to EP. Venlafaxine (10 mg/kg) reverted it, showing an antioxidant role. Immuno-histochemmical tests were performed (TNF-α and iNOS) in the gingival and periodontal tissues of the animals revealed an increased immunoreactivity scores in the group of animals submitted to EP, compared to SO group. Venlaflaxine treatment did not reduce these scores. Morphometric analysis of the jaws from EP rats treated with vitamin E (500mg/kg) showed no protection from ABL, when compared to EP controls. The histopathological analysis showed less mononuclear infiltrate in the group submitted to the EP and treated with vitamin E, score 2(0-3) when compared with the group EP, 3 (2-3). The oxidant stress evaluation through the measurement of lipid peroxidation (TBARS) and the activity of the enzyme superoxide dismutase (SOD) showed a significant increase in the concentration of MDA (µM) as well as SOD in animals on EP. Treatment with vitamin E (500 mg/kg) prevented the lipid peroxidation (p<0.05), and also showed a small decrease in SOD activity. The evaluation for TNF-α and iNOS immunoreactivities, EP rats showed an increased immunoreactivity scores for both TNF-α and iNOS, treatment with vitamin E reduced the immunoscores for iNOS only. The behavioral evaluation demonstrated that EP was not associated with anxiety or depression. As regards to body weight changes, rats on EP gained less body weights in the first days of induction of EP. Venlafaxine and vitamin E treatments did not change these results. These data allow us to conclude that venlafaxine as well as vitamin E treatments do not prevent ABL. Venlafaxine (IRSNs) is susceeptible to exarcerbate the ABL in EP when used in high dose. Attention should also be given to the indiscriminate use of antioxidants. The use of vitamin E showed anxiogenic effect.
Descrição: CARVALHO, Rosimary de Sousa. Efeitos da venlafaxina e da vitamina E na periodontite experimental induzida por ligadura em ratos. Avaliação do estado de ansiedade, depressão e perda óssea alveolar. 2010. 133 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Fortaleza-CE, 2010.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/863
Aparece nas coleções:DMC - Teses defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2010_tese_rscarvalho.pdf2,74 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.