Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2862
Título: Os camponeses e a mobilização popular: igreja católica, saques e movimentos sociais em Itapiúna/CE (1980-1993)
Autor(es): Pereira, Francisco Ruy Gondim
Orientador(es): Neves, Frederico de Castro
Palavras-chave: Igreja Católica - Anos 1980
Movimentos sociais
Multidão
Catholic Church
social movements
crowd
Igreja e problemas sociais - Itapiúna(CE)
Pilhagem - Itapiúna(CE)
Conflito social - Itapiúna(CE)
Movimentos sociais - Itapiúna(CE)
Itapiúna(CE) - Política e governo
Igreja Católica - Anos 1990
Data do documento: 2008
Editor: www.teses.ufc.br
Citação: Pereira, F. R. G.; Neves, F. C. (2008)
Resumo: Nos anos 1980, movimentos sociais nascidos em torno da ação pastoral da Igreja Católica de Itapiúna passaram a “disponibilizar” seus canais de mobilização para que os trabalhadores rurais organizassem seu protesto contra a ineficiência do auxílio estatal em anos de escassez. Mais que “disponibilizar-se”, eles passaram a estimular a realização de saques, ao perceberem a força do protesto e do questionamento político que deles emergiam. Tentando “organizar” e “politizar” os saques, os movimentos sociais buscaram modificar a experiência da multidão, ligada a uma “economia moral” que demanda a reimposição de padrões assistencialistas de relacionamento das autoridades com os pobres, pretendendo transformá-la num momento de questionamento das hierarquias sociais e de negação do paternalismo. Nesse sentido, o objetivo aqui é abordar o processo de mobilização e protesto social em Itapiúna/CE no que diz respeito ao relacionamento entre os movimentos sociais e os saques deflagrados nos anos 80 e 90, percebendo a intersecção entre a mobilização articulada pelos movimentos e a ação direta da multidão, assim como a interação entre os projetos de “transformação social” e a “economia moral” na motivação e legitimação dos saques.
Abstract: During the 1980s social movements born from the pastoral activity of the Catholic Church in the city of Itapiúna, Ceará’ began to “offer” their mobilization resources to rural workers protesting the inefficiency of state authorities to provide support during long periods of economic recession. More than just an “offer” of assistance, the actions of Catholic activists, realizing the power of protest and the political implications of the movement inspired massive pillaging throughout the region. Social movement leaders sought to “organize” and “politicize” the act of pillaging as means of contesting and transforming the basic societal relations of the masses of impoverished rural workers. Rather than demanding the return of traditional relations based on notions of a “moral economy” i.e. paternalist state action in relation to the poor, the movement began to question prevailing social hierarchies and contest the longstanding paternalist nature of state assistance. The fundamental objective of this study is to examine the process of mobilization and social protest in Itapiúna, Ceará’ and their relationship to the social upheavals of the 1980s and 1990s. My research will focus specifically on the intersection of mobilization articulated by local social movements and the direct action of rural workers, an intense process that melded notions of “social transformation” and the “moral economy” as a platform that either motivated or legitimized massive pillaging.
Descrição: PEREIRA, Francisco Ruy Gondim. Os camponeses e a mobilização popular: igreja católica, saques e movimentos sociais em Itapiúna/CE (1980-1993). 2008. 192 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal do Ceará, Departamento de História, Programa de Pós-Graduação em História Social, Fortaleza-ce, 2008.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2862
Aparece nas coleções:PPGH - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2008_dis_frgpereira.pdf1,47 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.