Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/30082
Title in Portuguese: Práticas pedagógicas no contexto das diferenças na alfabetização inicial
Author: Santos, Simara Pereira dos
Advisor(s): Lins, Sylvie Ghislaine Delacours Soares
Keywords: Alfabetização
Diferenças
Prática Pedagógica
Saberes do Docente
Issue Date: 2013
Citation: SANTOS, Simara Pereira dos. Práticas pedagógicas no contexto das diferenças na alfabetização inicial. 2013. 153f. - Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Educação, Fortaleza (CE), 2013.
Abstract in Portuguese: A finalidade da presente pesquisa foi investigar de que forma os professores do primeiro ano do ensino fundamental concebem e organizam o processo de alfabetização buscando atender as diferenças presentes em sala de aula. Teve como suporte teórico autores que investigaram as mudanças em alfabetização, os saberes docentes e a didatização das diferenças (MORTATTI, 2000, 2002; TARDIF, 2002, 2013; HUBERMAN, 2000; CANDAU, 2011, 2012; PERRENOUD, 2000, 2001, 2002). Possibilitou realizar uma retrospectiva das mudanças paradigmáticas e, consequentemente, das práticas pedagógicas ocorridas no Brasil ao longo das últimas décadas a partir das tematizações, normalizações e concretizações em educação; uma análise a respeito dos saberes docentes, suas dimensões e representações; e a reflexão a respeito das diferenças e a possibilidade de tratá-las metodologicamente. A opção metodológica foi por uma pesquisa qualitativa do tipo História de Vida, pelo nosso interesse em realizar uma análise a partir da ótica do professor, buscando apreender o fenômeno em questão a partir do seu olhar, possibilitando e evidenciando a dimensão dos processos e da construção de suas competências para ensinar. Participaram da pesquisa cinco professoras da rede municipal da cidade de Salvador, Bahia. Contamos com os seguintes procedimentos para levantamento dos dados: entrevista narrativa, entrevista de explicitação e observação das aulas de linguagem escrita. Utilizamos como referência para observação a Escala de Observação das Práticas Diferenciadas; com ela identificamos a frequência das estratégias de diferenciação na prática cotidiana das professoras. Os resultados indicaram que as professoras percebem as mudanças ocorridas nos últimos anos em relação às formas de alfabetização, compreendem a necessidade de construção de uma prática que favoreça a didatização das diferenças, mas esbarram em suas contradições e limitações ao tentar articular as teorias que fundamentam essa perspectiva às suas práticas. Por serem sujeitos historicamente situados, reconhecem o valor do saber científico para uma prática pedagógica que atenda às demandas atuais, no entanto, acreditam que os saberes práticos e experienciais são os mais relevantes ao alfabetizarem nesse contexto. Classificam a percepção das diferenças dos alunos em dois grupos: individuais e sociais. Apresentam maior facilidade para desenvolver estratégias didáticas que contemplem o primeiro grupo. A observação com base na Escala de Observação das Práticas Pedagógicas Diferenciadas permitiu perceber que dentre as 79 estratégias de diferenciação nela descritas, muitas já fazem parte da rotina das professoras. Identificamos a presença das estratégias na prática das professoras com maior ou menor regularidade. Entre três das cinco professoras participantes da pesquisa foi possível observar um número considerável de estratégias presentes de forma intencional. As demais estratégias avaliadas apareciam parcialmente ou pouco. Entre as outras duas professoras, apesar de notar poucas estratégias presentes, muitas apareciam pouco ou parcialmente, o que nos levou a crer que a utilização das estratégias de diferenciação surgia a partir da emergência da situação, de forma não planejada na maior parte do tempo. O que nos parece é que as professoras diferenciam independente da concepção que tenham, mas as que trabalham mais sistematicamente numa proposta dita construtivista diferenciam com maior propriedade e de forma mais consciente
Abstract: The purpose of the present research was to investigate how first year elementary school teachers conceive and organize the literacy process in order to attend to the differences present in the classroom. Theoretical support was provided by authors who investigated changes in literacy, teacher knowledge and the didactization of differences (MORTATTI, 2000, 2002; TARDIF, 2002, 2013; HUBERMAN, 2000; CANDAU, 2011, 2012; PERRENOUD, 2000, 2001, 2002). It has made it possible to carry out a retrospective of the paradigmatic changes and, consequently, the pedagogical practices present in Brazil during the last decades, from the thematizations, normalizations and concretizations in education; an analysis of teacher knowledge, its dimensions and representations; and the reflection on differences and the possibility of treating them methodologically. The methodological choice was a qualitative research of the Life History type, our interest in performing an analysis from the perspective of the teacher, seeking to apprehend the phenomenon in question from their perspective, making possible and evidencing the dimension of the processes and the construction of their skills to teach. Five teachers from the municipal network of the city of Salvador, Bahia, participated in the study. We had the following procedures for data collection: narrative interview, explanation interview and observation of written language classes. We used the Observation Scale of Differentiated Practices as reference for observation; with it, we identified the frequency of the strategies of differentiation in the daily practice of the teachers. The results indicate that teachers perceive the changes that have occurred in recent years regarding forms of literacy, they understand the need to build a practice favoring the didactization of differences, but they bump into contradictions and limitations when trying to articulate the theories that underlie this perspective in their practices. As historically situated subjects, they recognize the value of scientific knowledge in a pedagogical practice that meets the current demands. Nevertheless, they believe that practical and experiential knowledge are most relevant when teaching to read and write in this context. They classify the perception of students' differences into two groups: individual and social. They more easily develop didactic strategies that contemplate the first group. Observation based on the Observation Scale of Differentiated Pedagogical Practices has made it possible to realize that among the 79 differentiation strategies described therein, many were already part of the teachers' routine. We identified the presence of the strategies in the practice of teachers with greater or less regularity. Among three of the five teachers participating in the research, it was possible to observe a considerable number of strategies intentionally present. The other evaluated strategies appeared partially or barely. Among the other two teachers, although noticing some strategies present, many appeared little or partially, which led us to believe that the use of differentiation strategies emerged from the emergence of the situation, in an unplanned way most of the time. It seems to us that teachers differentiate independently of the conception they have, but those working more systematically in a so-called constructivist proposal differentiate with greater ownership and in a more conscious way.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/30082
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:PPGEB - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2013_dis_spsantos.pdf1,4 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.