Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3093
Title in Portuguese: Autoformação como exercício do tornar-se educador(a): uma reflexão sobre autoridade e microestética do cotidiano.
Title: Self-education as an exercise to become an educator: a discussion of authorship and micro-aesthetics at day by day
Author: Nascimento, Isabel Cristina Cardoso de
Advisor(s): Linhares, Ângela Maria Bessa
Keywords: Autoformação
Microestética
Autoralidade
Criação
Professores - Formação
Issue Date: 2011
Publisher: http://www.teses.ufc.br
Citation: NASCIMENTO, Isabel Cristina Cardoso de. Autoformação como exercício do tornar-se educador(a): uma reflexão sobre autoridade e microestética do cotidiano. 2011. 209f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-graduação em Educação, Fortaleza-CE, 2011.
Abstract in Portuguese: Como educadores e educadoras vivenciam sua autoformação na escola e nos projetos sociais quando mediados por uma microestética do cotidiano? Haveria uma estética corroborando no sentido de nos autoformarmos educadores e educadoras? Essas perguntas delineiam o eixo que move este trabalho de pesquisa, na medida em que releio espaços considerados formativos, mas que fogem do âmbito oficial da formação (cursos de Magistério e/ou Licenciatura). Esta dissertação propõe o caminho da autoformação pelo viés da (auto) criação do ser educador e do ser educadora, mediado pela microestética do cotidiano. Metodologicamente, apoio-me na proposta autobiográfica (JOSSO) e, desse modo, desbravo histórias de vida construindo lugares de diálogo entre os educadores e educadoras que compõem este trajeto. Para a análise dos lugares e condições de formação escolhidos, elejo o grupo de mulheres bordadeiras do Projeto Social Criança Feliz; a práxis pedagógica de uma arte-educadora da escola municipal Demócrito Rocha, em Messejana, e o trabalho de um educador social, que envolve a reconstituição do reisado da comunidade do Ancuri. Utilizo-me do Jornal de Pesquisa como modo de autorizar minhas observações na construção da pesquisa e de fotografias geradas nestes cenários, como textos e pré-textos passíveis de oferecer visibilidades estéticas ao movimento de produção de subjetividades (também minhas e das pessoas envolvidas na pesquisa). Para seguir nesta proposição, utilizo-me do referencial teórico de, principalmente, Ostrower, Macedo, Warschauer e Richter, apoiada também em Maturana, Marcos Vilella Pereira e Freire. Encontro, na pesquisa, a necessidade de, em (auto)formação de educadores e educadoras, gerar-se continuamente espaços e tempos de produção de si, que envolvam práticas de microestética, onde os atravessamentos do afetar e ser afetado trabalhem produção de sentido do cotidiano e laborem na direção de potencializar o sujeito como ser propositivo e criador de si. Nos meus resultados de pesquisa, também constato a necessidade de exercícios de autoralidade na (auto)formação do educador e da educadora capazes de incluir um trabalho com a existencialidade do ser por inteiro e, para isso, a microestética é eficaz no sentido de alcançarmos múltiplas dimensões dos sujeitos. Esse movimento de autoralidade para alcançar essa inteireza pode ser mediado pelo exercício da microestética que, desse modo, funciona como um processo formador que põe em jogo a existencialidade da pessoa em seus diversos âmbitos de atuação na vida. O estudo feito mostra a contribuição da microestética do cotidiano como experiência de formação dos professores em espaços formais e não-formais. Nos espaços formais, a experienciação com a microestética realiza a conexão entre educação popular em seus núcleos críticos e o cotidiano escolar, ao trazer os extratos da vida do professor para serem elaborados reflexiva e esteticamente. Nos espaços não-formais, é fundamental a vinculação do educador social às experienciações da cultura local e o exercitar-se em redes sociais, quando os percursos podem ser mediados pela microestética do cotidiano. Viu-se que a microestética do cotidiano proporciona que o trabalho com a artisticidade dos sujeitos educadores possa ser vivido como possibilidade de singularização do ser, o que reveste para maior liberdade e ação autoral – logo, formativa, uma vez que a microestética trabalha com sentimentos transformados em obras.
Abstract: How do educators experience their self-education in school and social projects when mediated by a day-by-day micro-aesthetics? Would there be an aesthetic sense in supporting our self-education? These questions outline the horizon at which this research aims: educational spaces outside the scope of official education. This paper proposes a way of self-configuration of the (self-) creation of an educator mediated by day-by-day micro-aesthetics. My methodology is based on the auto-biographical project (JOSSO), and thereby I discover stories of life in the dialogue between the educators who make up this path. For the analysis of educational places, I chose the group of women embroiderers, Projeto Social Criança Feliz; the pedagogical praxis of an art educator of the school Democrito Rocha and the work of a social educator, who involves the reconstitution of the Reisado in the community Ancurí. I make use of the Journal of Research as a way to authorize the construction of my observations and research in these photo-generated scenarios, such as pre-texts and texts that could provide visibility to the movement of aesthetic production of subjectivities and the people involved in research. To follow this proposition, I use the theoretical framework of Ostrower, Macedo, Warschauer and Richter, also supported in Maturana, Vilella Marcos Pereira and Freire. In the research, I face the necessity of generating spaces and times of self-production, involving practices of day-by-day micro-aesthetics. In my research results, I also acknowlede the need of exercising the authorship of educators. The study shows the contribution of day-by-day micro-aesthetics experience in training teachers in formal and informal spaces. In formal spaces, the experience day-by-day micro-aesthetics handles with the connection between popular education and critical response in their school life. In non-formal spaces, it is fundamental the conncection between the experiences of local culture and the work out of social networks. It is possible to see that the day-by-day micro-aesthetics provides the work with the artistry of the educators through freedom and authorship.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3093
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:PPGEB - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2011_Dis_ICCNascimento.pdf7,53 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.