Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3228
Título: Patrimônio cultural, infância e identidade no bairro Bom Juá, Salvador-Bahia
Título em inglês: Cultural heritage, identity and childhood in the neighborhood of bom jua: Salvador - Bahia
Autor(es): BARRETO, Rosivalda dos Santos
Orientador(es): CUNHA JÚNIOR, Henrique Antunes
Palavras-chave: Bairro de maioria afrodescendente
Infância em bairro de maioria afrodescendente
Patrimônio cultural
Afrodescendência
African-descendent Majority Neighborhood
Childhood
Cultural Heritage
African-descendent
Afro-Brazilian
Salvador-Bahia
Brazil
Crianças negras – Educação – Bom Juá - Salvador,BA
Crianças negras – Bom Juá - Salvador,BA – Condições sociais
Crianças negras – Bom Juá - Salvador,BA – Usos e costumes
Patrimônio cultural – Bom Juá - Salvador,BA
Negros – Identidade racial
Cultura afro-brasileira
Data do documento: 2012
Editor: www.teses.ufc.br
Citação: BARRETO, R. S. ; CUNHA JÚNIOR, H. A. (2012)
Resumo: As memórias e os patrimônios cultural material e imaterial são acervos que transversalizam homens e mulheres desde o nascimento que com o tempo constroem suas identidades nas relações que estabelecem onde vivem. Essa dissertação versa sobre o bairro do Bom Juá: Salvador, Bahia. É um bairro de maioria afrodescendente e como tal padece com as invisibilidades e silêncios acerca de sua história em termos gerais. Partindo desse princípio, trabalhamos com as memórias e histórias dos seus moradores, no intuito de que essas não se percam no tempo, ou sejam vítimas da globalização cultural, por serem importantes para forjar as identidades negras na coletividade, as quais resultam no sentimento de pertencimento e valorização da cultura de base africana, tempo em que corporifica o seu patrimônio. Tivemos como objetivo estudar e conhecer a infância e o patrimônio cultural material infantil através das histórias infantis, músicas, brincadeiras, atividades, e composição do ambiente escolar. Do campo de pesquisa que seriam as Escolas Amigos do Rei e Comunitária do Bom Juá, ampliou-se para o bairro em sua totalidade. Isto porque entendemos que a escola não existe sem o bairro, e que para fazer frente a uma educação antirracista antinegro, estando ela inserida num bairro de maioria negra, deve valorizar a cultura e o patrimônio cultural de base africana presentes no local. Utilizamos como categoria teórica a afrodescendência, bairro de maioria afrodescendente, identidade afrodescendente, infância em bairro de maioria afrodescendente e patrimônio cultural. A metodologia de pesquisa foi a afrodescendente de pesquisa. Nesse método o pesquisador conhece e faz parte do campo a ser pesquisado, não se distancia do mesmo, por que tem uma relação anterior com os pesquisados e o lócus de sua pesquisa. A relação pesquisador e pesquisado é de sujeito-sujeito, tendo como pressuposto o conhecimento da história africana, dos afrodescendentes e da cultura de base africana, além de utilizar a autobiografia,onde o pesquisador através da revisita à sua história de vida, entenda a construção de sua identidade e das identidades coletivas com base na história social, numa visão ‘desde dentro’. Concluímos que: A infância existe para as crianças e não é vista pelos adolescentes, adultos e professores da mesma forma. Logo se opera com o pensamento de uma infância ideal por parte dos adultos e professores e não com a infância real. Os maiores patrimônios são: as pessoas, a amizade; a formação de grupos de: jovens, adultos, crianças e da associação de moradores, que foram importantes para a história do bairro, quanto para a de outros bairros de maioria afrodescendente soteropolitanos. A sua organização social culminou na formação da Federação de Associação de Moradores de Salvador e na Confederação Nacional de Associação de Moradores responsáveis pela promoção e elaboração de políticas públicas para a cidade de Salvador. Logo,a formação dos grupos de Samba Duro Junino e Blocos Afro, rezas de Santo Antonio, Desfiles, Lavagens e Festas com cunho políticos, foram importantes para o fortalecimento das identidades negras em Salvador.São patrimônios as pessoas, a festa da padroeira do bairro, os desfiles das escolas, as brincadeiras infantis,7 pedrinhas, elástico, corre-corre, bater lata entre outras e os grupos de capoeira. Identificamos várias formas de viver a infância no bairro de acordo com a localização das ruas, e que existe uma infância afrodescendente que está para além das amarras e conceitos elaborados pelas teorias raciológicas no século XIX. Essa infância existe e vive e essa criança aprende, cria e recria.
Descrição: BARRETO, Rosivalda dos Santos. Patrimônio cultural, infância e identidade no bairro Bom Juá, Salvador-Bahia. 2012. 215f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Fortaleza-CE, 2012.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3228
Aparece nas coleções:PPGEB - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2012_Dis_RSBARRETO.pdf23,62 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.