Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/38403
Título: Aspectos semânticos e morfossintáticos da modalidade volitiva nos discursos de investidura de Rodríguez Zapatero
Autor(es): Oliveira, André Silva
Prata, Nadja Paulino Pessoa
Palavras-chave: Modalidade Volitiva
Fonte e Alvo
Tempo e Modo
Data do documento: 2018
Editor: Revista Entrepalavras
Citação: OLIVEIRA, André Silva; PRATA, Nadja Paulino Pessoa. Aspectos semânticos e morfossintáticos da modalidade volitiva nos discursos de investidura de Rodríguez Zapatero. Revista Entrepalavras, Fortaleza, ano 8, v. 8, número especial, p. 153-168, set. 2018.
Resumo: O presente trabalho visa fazer uma análise dos aspectos semânticos e morfossintáticos para a expressão da modalidade volitiva nos discursos de investidura de Rodríguez Zapatero. À luz dos pressupostos teóricos da Gramática Discursivo-Funcional (GDF), de Hengeveld e Mackenzie (2008), pretendemos fazer a descrição e a análise da modalidade volitiva, a qual está relacionada ao que é (in)desejável. Temos a intenção de avaliar, especificamente, a manifestação dos tipos de fonte volitiva e de alvo volitivo (aspectos semânticos) e a marcação do tempo verbal e do modo verbal (aspectos morfossintáticos) para a instauração da modalidade volitiva a partir de dois discursos proferidos pelo ex-primeiro-ministro do governo espanhol, Rodríguez Zapatero, proferidos nos anos de 2004 e 2008. Em relação aos aspectos semânticos, constatamos que houve maior emprego de fonte volitiva do tipo “Enunciador”, com 63,76% das ocorrências, e de alvo volitivo do tipo “Instituição”, com 76,81% das ocorrências. No que diz respeito aos aspectos morfossintáticos, comprovamos que houve maior incidência do presente do indicativo, com 87,24%, e maior ocorrência do modo indicativo, com 93,62%.Para a instauração da modalidade volitiva nos discursos de Rodríguez Zapatero, verificamos que o falante (aquele que discursa, nesse caso, o candidato a primeiroministro) prefere construir-se como fonte da atitude volitiva, instaurando as modalizações volitivas sobre as instituições (alvo volitivo), empregando, para isso, o presente do modo indicativo.
Abstract: The present work aims to make an analysis of the semantic and morphosyntactic aspects for the expression of the volitive modality in the investiture speeches of Rodríguez Zapatero. In light of the theoretical assumptions of Functional Discourse Grammar (FGD), by Hengeveld and Mackenzie (2008), we intend to describe and analyze the volitive modality, which is related to what is (in) desirable. We intend to evaluate specifically the manifestation of volitive source and volitive target (semantic aspects) and the marking of tense and verbal modes (morphosyntactic aspects) for the introduction of the volitive modality from two discourses uttered by the former prime minister of the Spanish Government, Rodríguez Zapatero, issued in 2004 and 2008. Regarding the semantic aspects, we found that there was a higher incidence of volitive source of type “Enunciator”, with 63.76% of occurrences, and volitive target of type “Institution”, with 76.81% of occurrences. Regarding the morphosyntactic aspects, we verified that there was a higher incidence of the present indicative, with 87.24%, and greater occurrence of the indicative mood, with 93.62%. For the introduction of the volitive modality in the speeches of Rodríguez Zapatero, we find that the speaker (the one who speaks, in this case, the candidate for prime minister) prefers to build himself as a source of the volitive attitude, instituting volitive modalizations about the institutions (volitive target), using, for this, to employ the present in the indicative mood.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/38403
ISSN: 2237-6321
Aparece nas coleções:DLV - Artigos publicados em revistas científicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_art_asoliveiranppprata.pdf171,37 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.