Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/17278
Título: Venenos e antídotos em Os Lusíadas
Autor(es): RIEDEL, Oswaldo de Oliveira
Palavras-chave: Venenos e antídotos
Os Lusíadas
Poesia
Data do documento: 1982
Editor: Revista de Letras
Citação: RIEDEL, O. O. (1982)
Resumo: No consenso dos que apreciam o poema, este jamais deveria ser dissecado, como obra de arte que é. Deve ser evidentemente sentido para que o leitor lhe possa captar, em sua plenitude, o ritmo e a mensagem. Machado de Assis nos ensina que, a exemplo do poleá enlevado com o inseto das "asas de ouro e granada", também nós deveríamos contemplar a obra de arte "como alguém que ficou deslumbrado de tudo, sem comparar, sem refletir") Advertência oportuna aos espíritos analíticos afeitos à perquirição da quinta- essência em produções de criatividade artística. Se isto é aceito - acreditamos - sem contestação, que dizer quando estivermos diante de poesia cuja universalidade nos deixa perplexos e nos esmaga mercê de sua pujança? Os Lusíadas estão neste caso como obra ciclópica e manancial de ensinamentos cada vez melhor compreendidos e admirados. Mas é possível seja esse, paradoxalmente, o motivo de não terem sido poucos os que, no tempo e no espaço, lhe procuraram esquadrinhar estâncias e versos. Movidos, é de supor, pelo sincero propósito de mostrar como o vate genial, mente humanística por excelência, soube traduzir em linguagem poética a síntese do conhecimento das artes e ciências de sua época.
Descrição: RIEDEL, Oswaldo de Oliveira. Venenos e antídotos em Os Lusíadas. Rev. de Letras, Fortaleza, v. 4/5, n. 2/1, p. 31-38, jul./dez. 1981, jan./jun. 1982.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/17278
ISSN: 0101-8051
Aparece nas coleções:DLV - Artigos publicados em revistas científicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
1982_art_ooriedel.pdf911,72 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.